Passados quase 2 anos do início de um cenário pandêmico, as expectativas para a retomada econômica em 2022 são altas. De acordo com o Semáforo do crédito, um estudo do Serasa[1] em parceria com a FGV, o país enfrentou um estado de alerta no ambiente de crédito em maio de 2020, que teve seu pior momento nos últimos dez anos.

Em 2020 o país atingiu cerca de 259 bilhões de reais em dívidas negativadas de consumidores e 118 bilhões de reais para dívidas de pessoas jurídicas, enquanto que, neste primeiro semestre de 2022, o maior volume foi de 271,6 bilhões de reais para os consumidores e 101 bilhões de reais para as pessoas jurídicas. A maior concentração dessas dívidas está no setor bancário, especialmente cartões de crédito.

É possível notar melhora no endividamento de empresas, contudo há um expressivo aumento no endividamento dos consumidores, que se justifica no momento de maior choque de juros da Selic desde 1999.

Deste modo, o cenário favorece a negociação e a recuperação de créditos inadimplentes de forma amigável, o que consequentemente tende a melhorar os índices para o próximo período, já que economistas preveem um aumento na recuperação econômica para o próximo semestre e início de 2023.

 

 

 

 

LUIS FELIPE DALMEDICO SILVEIRA

felipe.silveira@fius.com.br

 

TALITA ORSINI DE CASTRO GARCIA

talita.orsini@fius.com.br

 

MARIANE FERRI

mariane.ferri@fius.com.br

 

________________________________________________________________________________

[1] SERASA. Semáforo do Crédito. Disponível em https://www.serasaexperian.com.br/sala-de-imprensa/noticias/estudo-inedito-da-serasa-experian-revela-um-ambiente-de-credito-em-estado-de-atencao-no-brasil/