Alexei Navalny, opositor do presidente Putin, foi responsável por expor a suposta ocultação do patrimônio do presidente russo Vladimir Putin. Muito se fala que Putin possui uma fortuna inestimável – e é dito que ela é inestimável justamente porque quase não há rastro de papel do que o presidente de fato possui, principalmente em propriedades imobiliárias.

A suspeita é de que haja um sistema complexo de bens escondidos em offshores e esquemas financeiros complexos, incluindo seu círculo social próximo e até uma ex-companheira e filha. Alexei foi preso e sofre diversas ameaças em razão de sua oposição ao presidente, apesar disso, são muitas as reportagens e conjuntos de indícios que afirmam esta hipótese.

É importante esclarecer que não há uma presunção de ilegalidade na criação destas empresas – sendo elas offshores ou não – já que uma pessoa é livre para decidir onde deseja investir seu dinheiro e abrir sua empresa, o que torna essas operações legais.

Na prática da recuperação de crédito, não é raro que se presuma fraude na criação de empresas como essa, que podem ter a finalidade de ocultar o patrimônio pessoal do devedor, seja em contas bancárias, automóveis, imóveis ou outros bens, em operações simples ou mais elaboradas.

Em relação aos imóveis, é comum ouvirmos que em regra, só é dono quem registra, apesar disso, segundo uma estimativa do Ministério do Desenvolvimento Regional, mais da metade dos imóveis do Brasil estão irregularmente sem a formalização da compra e venda, o que ocasiona o desconhecimento da situação real de diversos bens imóveis.

Diante desse cenário, qualquer busca de bens em processos judiciais ou até mesmo atos de constrição de patrimônios tendem a ser negativos. Identificar esse padrão e característica do devedor direciona para a necessidade de ajustar tratativas negociais no momento em que acordos mais eficazes serão celebrados.

Portanto, a negociação entra como uma ferramenta mais rápida e eficiente. Enquanto na execução pela via judicial certamente existirá frustração pela não localização de ativos de propriedade do devedor, uma boa negociação acarretará acordos bem sucedidos e, até mesmo, disposição voluntária de bens não localizados anteriormente.

A assessoria especializada em negociação tem o papel de auxiliar na busca estratégica de bens, podendo trabalhar em conjunto com assessoria especializada em recuperação pela via judicial, para avaliar qual será a melhor estratégia para o caso específico. A partir da avaliação, compreende-se qual solução poderá trazer maior sucesso, alcançando, também, uma aproximação com o devedor, tendo em mente os interesses das partes envolvidas.

 

 

 

 

LUIS FELIPE DALMEDICO SILVEIRA

felipe.silveira@fius.com.br

 

MARIANE FERRI

mariane.ferri@fius.com.br

 

MARINA BORGES DIAS DE ALMEIDA

marina.borges@fius.com.br