Em Assembleia-Geral de Credores, realizada no último dia 31 de outubro,  restou aprovado pela maioria dos credores presentes o Plano de Recuperação Judicial dos produtores rurais Isabel da Cunha, Márcio da Cunha, Roberto Fedrizzi, Luciene Corado da Cunha e Agropecuária Ilmo da Cunha Ltda.

O passivo do Grupo Ilmo da Cunha soma, aproximadamente, R$ 326 milhões; sendo cerca R$ 214.909,07 na Classe I – Créditos Trabalhistas; R$ 259.955.900,05 na Classe II – Créditos com Garantia Real; R$ 66.265.099,46 na Classe III – Créditos Quirografários; e R$ 342.421,32 na Classe IV – Créditos de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

Além de prever a aplicação de deságio sobre o valor dos créditos, bem como nova aplicação de correção monetária e juros, de modo a reestruturar o passivo, o Plano de Recuperação Judicial prevê a possibilidade de alienação de ativos imobilizados de propriedade do Grupo, como uma forma alternativa para fazer frente aos pagamentos dos credores.

O processo de Recuperação Judicial do Grupo Ilmo da Cunha, patrocinado pelo escritório de advocacia Finocchio & Ustra Sociedade de Advogados, tramita perante o Juízo de Direito da 1ª Vara de Feitos de Relações de Consumo, Cíveis e Comerciais da Comarca de Luís Eduardo Magalhães/BA, sob o nº 8000937-52.2018.8.05.0154, e aguarda a homologação, pelo Juízo, do resultado da Assembleia-Geral de Credores que aprovou o Plano de Recuperação Judicial.

 

YURI GALLINARI DE MORAIS

yuri.morais@fius.com.br