O mercado de produtos high-tech direcionado ao público feminino e suas necessidades está passando por uma forte onda de crescimento, chamando a atenção de investidores nos últimos anos e movimentando cerca de 592 milhões de dólares em investimentos de capital de risco, conforme dados divulgados pela PitchBooK, empresa que trabalha com pesquisa e dados financeiros do setor.

Os produtos abarcados por esse segmento variam de aplicativos para controle de ciclo menstrual e oferecimento de caronas exclusivas para o público feminino, até o acesso à telemedicina direcionada à saúde da mulher.

Muito embora as mulheres representem quase metade da população mundial, até o fim dos anos 2000, pouco se via em termos de direcionamento de estudos e desenvolvimento de tecnologia high-tech voltados às especificidades femininas, sendo um desses o motivo da baixa representação do gênero feminino no setor.

O surgimento das Femtech e a sua consolidação no mercado evidenciam cada dia mais a importância da mulher como um todo, bem como as novas e boas oportunidades para o desenvolvimento de negócios nesse nicho de mercado.

O termo Femtech foi criado pela dinamarquesa Ida Tin, ao desenvolver um aplicativo para smartphone que rastreia os períodos de ovulação das mulheres. O aplicativo já chegou a ser alvo de discussão sob o argumento de que o mercado direcionado a entender as necessidades femininas é um nicho minoritário, quando na realidade é um segmento em franca e expressiva expansão, com previsão de crescimento exponencial até 2024.

O objetivo das Femtech é, acima de tudo, garantir uma melhor qualidade de vida para um público que tem conquistado cada vez mais seu lugar no mercado e no mundo, sendo imprescindível o aumento do número de start-ups e empresas de tecnologia voltadas ao desenvolvimento de produtos e serviços que visam a melhoria da saúde e rotina das mulheres.

Independentemente de seu caloso início e desenvolvimento, é inegável a relevância vinculada a esse mercado, tanto pelas melhorias trazidas à população feminina, ao terem suas necessidades atendidas com a mesma facilidade e praticidade condizente com a realidade high-tech do século 21 e por indicar um marco relevante no que diz respeito a equidade e representatividade da mulher, quanto por representar uma excelente oportunidade de desenvolvimento de novos e promissores negócios.

 

 

 

 

FELIPE CERVONE

felipe.cervone@fius.com.br

 

RACHEL MARQUES

rachel.marques@fius.com.br

 

CAROLINA BUENO

carolina.bueno@fius.com.br

 

NATÁLIA RAMOS

natalia.ramos@fius.com.br